quinta-feira, maio 26, 2005

O mundo não se transforma de um dia para o outro

Meus amigos, populistas, fascistas:

Isto é só a oficialização do que já tem sido feito há muito muito tempo.

Reparem a horda incrível de trabalhadores do estado que lutam ferozmente ao pastar o dia inteiro no trabalho.
Reparem na classe política, já quase toda fielmente dedicada ao Pipismo, com grandes discursos que têm tanto de acção como de objectividade.
Reparem nos advogados, juízes, procuradores, a lutarem com uma inércia fabulosa para imprimir uma justiça Pipista.
Reparem nas televisões, absolutamente, impereterívelmente, inegavelmente pipistas.


O que nós temos que fazer, nestes cargos, e outros de igual importância (como astronauta, limpador de ruas...ehem, técnico de limpeza urbana, primeiro ministro ou dealer, este último de grande importância, como certamente assumirão, pela dimensão de mercado que é atribuido pela segmentação, inovação nas polícias, alfândegas, geração de dinheiro, etc, etc...) é simplesmente ..... manter o nível. Ou seja, honrar todos os que nos poscederam e que nos precederão, com uma dinâmica de trabalho que os faça dizer: "epá, sim senhor, o teu tacho era o que eu queria, como é que não fui eu a lembrar-me disso". É a nossa responsabilidade, o nosso destino.

Por isso, nos altos cargos que temos (e que tivémos), temos que fazer simbologia prática, honrar compromissos assumidos à muito tempo, ser magnânimes na execução desses, que deixe orgulhosa qualquer pessoa que consiga obter um atestado de férias e que acorde de manhã feliz, não só porque está a passar umas merecidas férias, mas por saber que está a fazer isso com propósitos superiores. No entanto temos que começar devagar. Deixo umas sugestões:
1. Ler a Bola e Maria todos os dias, sem excepção.
2. Praticar a retórica (o que já vem sido trabalhado há muito pouco tempo). Por exemplo, gravar discursos de políticos e praticar em grupo, ou em frente ao espelho, ou então ler o dicionário e tentar arranjar maneira de meter palavras novas em discursos velhos.

Devo finalizar com ... inté!

Sem comentários: