sexta-feira, dezembro 02, 2005

Pelo caminho do Buda...

ﺀ->ﻱ. O Paulo Coelho demonstrou-nos que quando não se tem nada para dizer, encripta-se.

ﻭ. Ou não. Talvez pare antes. Para ir comer qualquer coisa. Mas volto!

ﺝ. Mas eu sinto que ainda há PiPismo nele. Eu salvá-lo-ei, da única maneira que posso: tentando fazer com que inspire (e também convém que expire). Salvá-lo-ei, ou morrerei a tentar!

ﺍ. Ao reler uma série de artigos nos quais não encontro aquele espírito, aquele "ñ sei q" que os torna PiPistas, começo a pensar se estou com sono, se esforcei demasiado o cérebro, se 'tou a precisar de umas férias.

ﺙ. E, tipo relâmpago, foi então que me atingiu. O rapaz, ou rapariga, não quero apontar o dedo, perdeu a inspiração e cedeu. Cedeu ao lado negro do PiPismo: o PiPitismo.

ﺕ. Bem, sem nada melhor que fazer, decidi investigar. Fui ver os últimos posts dele, ou dela, não quero dar pi+pistas, e foi assim que comecei a ficar preocupado.

ﺏ. Mas isto começou ao ler um artigo que é completamente críptico (cujo autor eu não vou nomear, digo apenas que o nome na blogosfera é composto por duas palavras, a primeira rima com pisco, ou não, e a segunda com Vurnay [acho eu]). Penso: "Que raio é que isto significa?" Depois reparo na palavra "Capito" e noto que já tinha sido repetida nos dois versos anteriores. E dou comigo a pensar: "este gajo não costumava falhar uma, o que é que se passa?"

Pi. Sigma.: Desde que eu escrevi isto (depois fiquei há espera da declaração de guerra) já foi postado mais uma artigo da/o mesmo/a autor(a). Parece que só o facto de eu pensar em ajudá-la/o já deu algum resultado, ou não, é uma opinião.

Sem comentários: