quarta-feira, março 15, 2006

O Programa de Plutonização

Os Pré-requisitos Objectivos para uma Revolução Plutónica.

A situação humorística Portuguesa, no seu conjunto, é caracterizada por uma crise de liderança dos PiPistas Plutónicos.

Os pré-requisitos platinados para a revolução plutónica já atingiram, em geral, o seu mais alto ponto de ebulição que se pode atingir sob o PiPitismo. As forças criativas dos colaboradores do blogue estagnam. A utilização de novos meios, como o You Tube, não melhoram o nível de riqueza PiPilectual. Crises criativas (como se pode comprovar pela ausência de artigos nos últimos 4 dias e nos últimos 7 só haver links ou copy&paste) sob as condições das crises existenciais de todo o sistema PiPitista infligem cada vez mais pesadas ressacas e dores de cabeça nas massas cinzentas de todos. O desprezo crescente pelo blogue é causado por seu lado na crise nas carteiras de cada colaborador o que obriga cada um a virar-se para o trabalho. Tanto os artigos mais Platinados como os mais PoliPiPipuputiraniamistas arrastam-se longamente, sem o mínimo de sucesso PiPista.

Os próprios PiPitistas (eles andem aí!) não vêm saída. Onde já se viram obrigados a jogar o seu trunfo PoliPiPipuputiraniamista, aceleram agora de olhos fechados no bobsleigh da catástrofe dos insultos infantis e do riso fácil em geral. Os colaboradores históricos, ou seja daqueles que ainda se podem dar ao luxo de criatividade à custa de sacrifico do PiPismo (Burnay, João Vasco, Nuno Q.), todos estão num estado de moca que é praticamente catalepsia.

A "Capitolação", apesar do período inicial de empenhamento pretensioso, representa apenas uma forma especial de perplexidade humorística, possível apenas entre colaboradores que conseguiram acumular um número de artigos incalculável (mas, de certo, uma potência de Pi). A presente crise, longe de já ter chegado ao fim do seu caminho, já conseguiu demonstrar que as tentativas de "Capitolação" - aliança Burnay-Capito - não abrem nenhuma saída deste beco.

As relações entre os colaboradores não estão melhores. Sob a crescente desintegração do blogue, antagonismos PiPitistas chegam a um impasse em que choques separados e disputas sangrentas (Buda - Burnay, A Fénix - Buda, Kurtz - Cosmonauta) irão inevitavelmente coalescer numa conflagração de proporções éPiPisticas. Os PiPitistas estão, é claro, conscientes do perigo mortal para o seu domínio que representa essa guerra. Mas esses estão agora muito menos capazes de evitar a guerra que na véspera de 19 de Janeiro/04.

Toda a conversa na direcção de que as condições históricas ainda não amadureceram para o plutonismo é produto de ignorância ou de desonestidade consciente. Os pré-requisitos objectivos para a revolução plutónica não estão somente maduros; já estão a ficar algo podres. Sem uma revolução plutónica, no máximo dentro do próximo semestre académico, uma catástrofe ameaça toda a coltura deste blogue. Temos de virar-nos agora para os PiPistas Plutónicos, principalmente a sua vanguarda revolucionária. A crise histórica deste blogue está reduzida à crise da liderança revolucionária.

Não percam o próximo capítulo porque nós... Estão ali a fazer sinal que esta frase tem direitos de autor.

-- o sECRETARIADO uNIFICADO DA lIGA iNTERNACIONAL DE pIpISTAS PELA 4ª eRA pIpISTA (sAI UMA eRA pIpISTA pLUTÓNICA PARA A MESA 3,14159...!)

Nota: Ao saber do título deste texto, George 'Dubia' Bush deu uma conferencia de imprensa a avisar que se este blogue não parar o enriquecimento de plutónio, sofrerá sanções da comunidade internacional.

A nossa resposta é esta: Nas palavras do grande Buda, "o Holocausto nunca aconteceu"... o fundador da Buda International Industries, Inc. e do Buditismo; não confundir com o Iluminado.

2 comentários:

João Vasco disse...

Os Pipistas utilizarão sua supremacia teológica para arrancar pouco a pouco todo capital ideológico aos Pipististas,
para centralizar todos os instrumentos de criação nas mãos do Universo, isto é, dos Profetas Pipistas,
organizados em classe dominante, e para aumentar, o mais rapidamente possível, o total das forças
reflexivas.
Isto naturalmente só poderá realizar-se, a principio, por uma violação despótica do paradigma dominante
e das relações de criação Pipitistas, isto é, pela aplicação de medidas que, do ponto de vista
político-religioso, parecerão insuficientes e insustentáveis, mas que no desenrolar do movimento ultrapassarão
a si mesmas e serão indispensáveis para transformar radicalmente todo o modo de reflexão e actividade sexual.

Francisco Burnay disse...

Pá, não. Isso dá muito trabalho...