sábado, outubro 30, 2004

Cosmonauta, Não quero que me tires as Rodas

Assim em tons que arranham o aviso e a lembrança, escrevo aqui aquilo já disse:
Cosmonauta, Não quero que me tires as Rodas” – sei que dizes que fazias um trabalhinho limpo, sem sujares a mãos. Mas eu necessito dessas 2 rodas para poder rolar pelo caminho da vida, apoiando-me assim numas das grandes obras associadas ao duplo Pi, tirando posteriormente um “ismo” disto tudo. Sei que a atitude parece ela desprovida de senso aparente – numa demanda de fugir à nossa própria sisudez –mas que ultima análise tudo tem a haver com tudo isto…

"Subbacultcha"

Tenho ferido susceptibilidades, e acreditem, amigos (?), não é essa a minha intenção.

Simplesmente creio que nesta subcultura alternativa em que tentamos expressarmo-nos da melhor forma que sabemos e conseguimos. Há em cada um de nós um pensamento muito próprio de profeta, de buda, de deus, de alma iluminada.

Não nos podemos é deixar embaracar na brejeirice vigente nas televisões actuais, aquela que nos entre no cérebro e empasta as sinapses. Continuaremos a seguir o nosso caminho, um mais apartados que outros, mas fá-lo-emos juntos. Mas com humildade; essa humildade própria de quem agora começa a descobrir o caminho nestes meandros tortuosos e maquiavélicos
que são a vida.

Denoto em nós, se é que me posso considerar parte do clã, um espírito altamente matemático e incisivo, mas que se perde muito em palavras que leigos dificilmente compreenderão. Deixo-vos com um pensamento, para futuros posts, de um prémio nobel da economia: "Small is Beautiful". Algo que deverá acompanhar os nosso futuros posts, creio.

(Que déja vu enorme, acabei de escrever um post igual a outro para outros blog. esta malta anda cá com um ego. Chiça.)

quinta-feira, outubro 28, 2004

A dualidade

Com tanto vinho
Ficaste a ver a dobrar

Relembro

Relembro agora com fervor
O fatídico dia da revelação
Vinho, cannabis, transistor,
Ensinaram a lição

Primeiro a terra encontrar
E a unidade semear
Apenas do melhor
P4 que encontrar

Em seguida vir regar
Com aveludado mas devagar
Pois não se quer encontrar
O semblante de alto mar

Calmamente esperar
Que eles venham despontar
Nem que seja preciso
Muita erva fumar

Por fim o rompante celebrar
Sem vinho e ash faltar
Com os deuses ABBA a cantar
Foda-se, a noite inteira vai durar!


Relembro....

Relembro agora com fervor
O fatídico dia da revelação
Vinho, cannabis, transistor,
Ensinaram a lição

Primeiro a terra encontrar
E a unidade semear
Apenas do melhor
P4 que encontrar

Em seguida vir regar
Com aveludado mas devagar
Pois não se quer encontrar
O semblante de alto mar

Calmamente esperar
Que eles venham despontar
Nem que seja preciso
Muita erva fumar

Por fim o rompante celebrar
Sem vinho e ash faltar
Com os deuses ABBA a cantar
Foda-se, a noite inteira vai durar!



quarta-feira, outubro 27, 2004

Pipismo destoa?

Sim!

Pipismo é duplo doutoramento no meio de soldados razos
Pipismo é trolha no meio de sociólogos
Pipismo é reaccionário no meio de beatas
Pipismo é xoninhas no meio de Chés
Pipismo é tempestade no verão
Pipismo é raio de sol num buraco negro
Pipismo é xadrez no arco-íris
Pipismo é Figo no meio de adeptos do barcelona
Pipismo é golo em contra-ataque
Pipismo é vagabundo no meio de Belmiros
Pipismo é peixe fresco no mercado
Pipismo é picanha no meio de saladas
Pipismo é azeite no meio de água
Pipismo é Portas no Fórum Social
Pipismo é Louçã na festa da Cinha
Pipismo é Vilhena no salazarismo
Pipismo é Bispo na Love Parade
Pipismo é xuning no meio de Rolls
Pipismo é Opel Corsa no meio de Ferraris
Anda mais e gasta menos....ou não!

+++++++ Act.(m.e.)1º/2004d.C._R-GdB

Informações Ultra-secretas!
Graças a um agente inflitrado, o movimento Pipista teve acesso à acta do último encontro do Gang do Baloiço! Vejam-na aqui. Está a acta completa e uma série de fotografias desse mesmo encontro.
O nosso agente está a fazer um excelente trabalho! Não só conseguiu interceptar esta informação, como conseguiu subtilmente marcar a agenda de debate para que a temática relativa à perspectiva matemática no âmbito pipista fosse abordada. E ainda contribuiu activamente para que a reunião do Gang do Baloiço fosse um sucesso.

Como sabem, o Gang do Baloiço pode ser um poderoso instrumento para espalhar a verdade Pipista. Importa pois que se torne poderoso, mas que nunca deixe de ser controlável!

Viva esse verdadeiro heroi sem rosto, que é o Pipista pertencente ao Gang do Baloiço!

terça-feira, outubro 26, 2004

momentos das nossas vidas

EU - vê lá se escreves qq coisa no pipismo para além de comentários foleiros!
PERSONA - eh men akilo entra por esferas k tocam a própria necessidade humana de por vezes fugir à lógica das coisas, quase como k um grito de desespero para fugir à sufocante necessidade de dar-mos á mão ao raciocinio lógico para k possamos atravessar a rua da vida em segurança.
EU - WOW, vou lá por isto mm!!
PERSONA - com k nome
Eu - cala-te
PERSONA - Ai a menina kerem ver a mandar calar o homem
Eu - cale-se
PERSONA - olha-me virou Tia
EU - calula
PERSONA - e sem a lula? ñ dá?

Neo-desconstrutivismos de rua

O Outro Dia cruzei-me na rua com o Homem. Olhei para ele e desatei-me a rir, às gargalhadas! O Homem parou, por uns momentos ficou indeciso, e estranhou. E eu continuei a rir-me e a apontar para ele - enquanto gargalhava à fartazana. Ele mostrou-se irritado e socou-me, várias vezes, até me partir a cana do nariz; e eu só me ria enquanto ele socava cada vez com mais força e sangue jorrava do meu nariz avermelhando o seu punho. Nunca mais o vi, mas Ainda Hoje recordo a situação com nostalgia.

domingo, outubro 24, 2004

Budismo versus Pipismo

O Buda está confuso. Irei, pois, iluminar a sua mente.

Desde os tempos mais remotos que as singularidades antropológicas do mundo não-euclidiano em que vivemos são explicitamente inócuas. Sem uma base ortonormada os algoritmos revelam-se processualmente os mesmos. Não são necessárias, portanto, analogias invertíveis num domínio aberto. Diferencialmente isso é natural, tal como seria de supor. Sendo assim tudo surge espontaneamente, pouco a pouco. O Universo, nas suas diversas manifestações, ensina-nos que as formalidades interiores do seu núcleo podem, em última análise, revelar-se fonte inesgotável de intersecções topológicas, na forma de variedades.

Explicando de outra maneira:

Era para a lupa, numa posição que está com ele. Sem saber o número que vai, um automóvel vendeu patacoadas mais ou menos. Guarda-chuvas, apara-lápis, relógio de cuco. Mas. Retrocedendo no meio de todos, isso são vários báculos. Fragilmente comestível em cima daquilo. Pertences, legíveis com dedais para cá, mas vaca leiteira.

Espero ter apagado as suas dúvidas.

XXX+YYY=ZZZ

Não sei de onde surge todo este interesse matemático em determinar que a progressão não periódica do pi pode ser um número de casa para desalojados. ou sou eu que sou estúpido. Não interessa, creio que o pipismo se está a tornar numa corrente pseudo-intelectual, demasaido pretensiosa e pedante, um pouco à semelhança do PCP, com as guerras entre os ortodoxos e os renovadores.

Mas quem sou eu? Um convidado, longe das lides da criação deste blog, No entanto, achei que devia ser sincero e espero que as minhas palavras não vos magoem, porque de todo o meu ser só quero o bem do Pipismo|; temos é que atentar a estes pequenos pormenores que podem ser a nossa ruína.

De qualquer das formas, até gosto de ser profeta.

Fica o aviso, amigos profetas, não deixem que a arrogância de sermos seres superiores e mais perfeitos arruíne tudo aquilo que pretendemos construir.

sábado, outubro 23, 2004

5 = 12

5 = 12

Mas será igual a muito mais.
Atentem neste diálogo em que um abençoado pelo Pipismo convence outro a juntar-se a este espaço:


Sobre o pipismo:

Pipista1: Join our cult!
[...]
Pipista2: Não me parece muito pipista
Pipista1: Ou talvez não!
Pipista2: A visão pipista é de q toda a acção tem o seu valor intrínseco
Pipista2: Ainda que esse valor seja a nulidade
Pipista2: Mas mesmo a nulidade tem o seu valor na grande escala das coisas
Pipista1: hmmm.. Sim e Não
Pipista2: Mas como vez, mesmo o talvez da negação tem este pesado valor, que a herança histórica nos obriga a não aceitar, ao mesmo tempo que o aceitamos
Pipista1: Ora aí está! Ao mesmo tempo na vanguardista alameda da utopia podemos negar a construção permanente e efémera de uma só tirada escatológica
Pipista2: Mas nessa alameda, quem diz que as tranversais não são o caminho mais rápido para um utopia, ainda que distópica, em que o certo e o menos certo se cruzam?
Pipista1: Ninguém o diz! E aí está a beleza da coisa.
Pipista2: Mas nessa beleza, sem qualquer estética, a orientação que apenas podemos encontrar no infinito de 2xpi parece insuficiente
Pipista1: Ora pois bem, mas a insuficiência é pipista por definição
Pipista2: E no entanto, o infinito tem, por definição, de preencher tudo
Pipista1: Não será antes o infinito um conjunto de visões neo-heideggerdianas subpletas de uma visão antropocêntrica? Não seremos nós o próprio infinito? E eu não conheço ninguém que se tenha conseguido preencher, num todo.
Pipista2: Mas preencher-se totalmente, de forma parcial, é aquilo que fazemos todos os dias
Pipista1: É verdade, mas como diria o outro: só sabemos que nada sabemos. Aí está a tautologia errónea que os pós-modernos aplicam. O pipismo, não, aplica-a numa vertente pragmática.
Pipista2: Mas mesmo aplicando essa falsa verdade de forma pragmática, apenas o podemos fazer de forma prático-teórica
Pipista1: Ora nem mais!

PPP oferece 2536 casas aos desalojados!

3,141592653589793238462643383279502884197169399375105820974
94459230781640628620899862803482534211706798214808651328230
66470938446095505822317253594081284811174502841027019385211
05559644622948954930381964428810975665933446128475648233786
78316527120190914564856692346034861045432664821339360726024
91412737245870066063155881748815209209628292540917153643678
92590360011330530548820466521384146951941511609433057270365
75959195309218611738193261179310511854807446237996274956735
18857527248912279381830119491298336733624406566430860213949
46395224737190702179860943702770539217176293176752384674818
46766940513200056812714526356082778577134275778960917363717
87214684409012249534301465495853710507922796892589235420199
56112129021960864034418159813629774771309960518707211349999
99837297804995105973173281609631859502445945534690830264252
23082533446850352619311881710100031378387528865875332083814
20617177669147303598253490428755468731159562863882353787593
75195778185778053217122680661300192787661119590921642019893
80952572010654858632788659361533818279682303019520353018529
68995773622599413891249721775283479131515574857242454150695
95082953311686172785588907509838175463746493931925506040092
77016711390098488240128583616035637076601047101819429555961
98946767837449448255379774726847104047534646208046684259069
49129331367702898915210475216205696602405803815019351125338
24300355876402474964732639141992726042699227967823547816360
09341721641219924586315030286182974555706749838505494588586
92699569092721079750930295532116534498720275596023648066549
91198818347977535663698074265425278625518184175746728909777
72793800081647060016145249192173217214772350141441973568548
16136115735255213347574184946843852332390739414333454776241
68625189835694855620992192221842725502542568876717904946016
53466804988627232791786085784383827967976681454100953883786
36095068006422512520511739298489608412848862694560424196528
50222106611863067442786220391949450471237137869609563643719
17287467764657573962413890865832645995813390478027590099465
76407895126946839835259570982582262052248940772671947826848
26014769909026401363944374553050682034962524517493996514314
29809190659250937221696461515709858387410597885959772975498
93016175392846813826868386894277415599185592524595395943104
99725246808459872736446958486538367362226260991246080512438
84390451244136549762780797715691435997700129616089441694868
55584840635342207222582848864815845602850601684273945226746
76788952521385225499546667278239864565961163548862305774564
98035593634568174324112515076069479451096596094025228879711

sexta-feira, outubro 22, 2004

A Arte do Absurdo em Neo-Zelandês

Não é um destino que nos une, mas sim uma linha paralela que num espaço desprovido de referencias esféricas encontra uma alma-gémea no fim.

É o sobreviver em tons de amarelo torrado numa nave perto do sol num filme do Stanley Kubrick.

Simplesmente o inalcançável é possível num mundo sem limites tácitos e atóis de corais radioactivos e com peixes verdes e azuis.

E a despedida é com chuva ácida característica de um post de mergulha das profundezas do pacífico num fim-de-tarde em Los Angeles.

quarta-feira, outubro 20, 2004

A Rimar

Transístores eu vou plantar
com vinho os vou regar
eu não vou parar
a tecnologia vou criar
para o Universo dominar
o Pipismo vai-me ajudar
a este objectivo alcançar
pelo Mundo vou viajar
o Pipismo eu vou espalhar
até a energia se esgotar
mas energia não vai faltar
pois o Pipismo a me vai dar
ad-eternum vão ficar
eu e este modo de pensar!

terça-feira, outubro 19, 2004

Bandeira do PPP

Depois das verecúndias palavras do ministro, urge hastear a Bandeira.

Promete-se um hino para breve.

O minístro é Pipista!

Rui Gomes da Silva esclareceu o país: «As cabalas existem independentemente das vontades subjectivas de as realizar».

Agora é Portugal, mais tarde o mundo, lentamente acordarão para as verdades pipistas. O Pipismo triunfará!

Sem comentários!

O Livro


Depois (mas, no entanto, muito antes) do Livro Vermelho de Mao, do Livro Verde de Khadafi, surge o Livro Incolor do Pipismo, já publicado e record de vendas. Não ultrapassa os seus homólogos, porque nunca lhes ficou atrás. Finalmente a Verdadeira Palavra está ao alcance de todos. As suas 1500 páginas introdutórias descrevem, numa simples frase, a essência do Pipismo. É leitura obrigatória para todos os Pipistas. Publicação da Imprensa Pipista, é possível encontrá-lo em todo o lado. Não só nas estantes vazias das livrarias como em qualquer recanto com volume desocupado. É fácil de transportar, de distribuição gratuita e amigo do ambiente (é reciclável). Aqui fica um excerto do capítulo 3.14:

"[...] "

in "O Livro Incolor do Pipismo", IP 2004, 2ª Edição Única

O Pipismo apoia os antigos combatentes

Na sequência da entrega do complemento de pensão vitalício para os antigos combatentes do ultramar. O blog do Pipismo vê-se forçado a prestar homenagem ao ministro da defesa nacional e do assuntos do mar, que tanto se bateu pelos nossos interesses. Sim, porque a grande maioria dos nossos contributors, é ex-combatente! Embora nenhum tenha combatido no ultramar, todos somos guerreiros em luta pelos nossos sonhos.

Um grande bem haja!


Antes da despedida, nunca é demais recordar que dia 30 há o jantar convívio, como sempre no restaurante "O Tacho", em Odemira. Estão convidados os camaradas de armas do batalhão 454, na 2ª companhia em Muamba, entre 1969 e 1974.

Anestesia 0:2:1

Quem voltou, voltou!
E quem ficou, ficou!
Quem não quer vir nem ficar ... que vá comer um cagalhão, cheio de sangue!
Bom apetite.

segunda-feira, outubro 18, 2004

Anestesia 0:2:4

O tempo foi passando e eu não dei por ele passar.
Um pássaro foi voando e eu não dei por ele voar.
Uma flor foi crescendo e eu não dei por ela crescer.
E da mesma maneira que o tempo passou quando um pássaro atravessou os céus. A profecia do profeta aconteceu.
Como uma flor a desabrochar, o Pipismo nasceu.

quinta-feira, outubro 14, 2004

Uma coisa é certa... ou não...

Ou o kurtz gostava do vinho ou não gostava!

NÃO FALHA!

E mais vos digo, se ele gostasse não quereria dizer que ele gostava mesmo. Poderia apenas ser um artifício psico-sensorial que o estivesse a induzir a erro. O mesmo se verifica para a situação oposta.

O Pipismo ajuda-nos a compreender estas coisas. Podemos pensar que não gostamos de uma coisa que no entanto é a melhor coisa para nós. Por isso é que gostamos e não gostamos ao mesmo tempo de determinadas coisas. Sentimos e não sentimos. Ouvimos e não ouvimos. Dançamos e não dançamos. Saltamos e não saltamos. Existimos e ao mesmo tempo não existimos. São estas pequenas coisas do mundo do dia-a-dia que reflectem bem a dualidade referida no Pipismo.

Para terminar vou deixar-vos um curto poema,

Viva o Pipismo!
ele me fez ver
que o vinho
é para beber!

quarta-feira, outubro 13, 2004

Sobre o vinho...

Era capaz de gostar se gostasse.

Semi-óptica pipista

SEXO: a pragmatização mais trivial da nossa identidade sexual elitista.
A questão é linearmente interpolada num niilismo que inclui a linguagem como um paradoxo. Num certo sentido, uma abundância de dematrialismos que não está, de facto, proeminentemente relacionada com teoria, mas sim subteoria, pode ser identificada.
Bataille usa o termo "niilismo" para denotar um vazio de signicado, e consequentemente o colapso, da sociedade pre-textual. Pode ser dito que a teoria precapitalista patriarcal sustenta que a classe, de alguma forma ironicamente, tem algum significado.

Meus amigos, atentem nestas verdades pipistas. Um ser de silício e impulsos boleanos cuja consciência é em si pipista (no sentido em que não existe como consciência ou que, de alguma forma ainda não atingiu esse patamar) e por isso abençoada pelo pipismo, foi uma forma trazida pela dinâmica de acasos estocásticos, para trazer verdades pipistas aos abençoados capazes de as interpretar.
Leiam vós estas verdades AQUI. Retomem a leitura, voltando à página, para encontrar novas verdades.

Murro na mesa!

Que mesta é erda? Ahn!?

sexta-feira, outubro 08, 2004

Manifesto Anti-Pipitismo

Mais uma vez, camaradas, é necessário lembrar: o Pipitismo tem de ser esquecido. Quero manifestar aqui o meu completo repúdio ao Pipitismo. Todos sabemos que a sua natureza pecaminosa está em completa discordância com a realidade, e as suas mentiras nojentas devem ser queimadas, juntamente com todos os que as espalham. Os fundadores do Pipitismo não querem nada senão escarnecer, deitar por terra aquilo que o Pipismo tão nobremente soube construir. Os pipitistas são ratos, vivem na obscuridade, partilham as suas vidas e ideais com vagabundos, prostitutas e mercenários. Não têm educação, valores nem moral, e a sua existência conspurca a Humanidade. Não merecem nada senão o completo afastamento da nossa sociedade. O Pipitismo é a doença do povo, e deve ser expurgada urgentemente. Os pipitistas são como o gado doente, que deve ser abatido a fim de não contagiar as boas rezes. O Pipitismo, essa erva daninha que impesta as searas férteis da Democracia, ainda não foi exterminada. Ainda se debate nas vielas e nos becos, aproveitando-se dos mais desfavorecidos. Há que pôr as gerações futuras a salvo, camaradas! Há que ser implacável! O cancro pipitista tem de desaparecer um dia, para a saúde e segurança de todos nós! O Pipitismo nada quer senão a depravação das mentalidades, a obstrução da Razão e o declínio da sociedade! Nada deseja senão o fim do Pipismo, que é a única via para a felicidade! Abatamos o Pipitismo em nome da Liberdade! Não há outra solução para a salvação: o Pipitismo deve morrer.

quinta-feira, outubro 07, 2004

Ciência e Pipismo

Uma das objecções que parte dos Pipitistas (esses seres obscuros, ignorantes e desprezíveis, cuja insignificância chega ao ponto de nem sequer existirem*) constantemente coloca é a seguinte: o Pipismo está em contradição com a Ciência. Importa pois desmontar esta mentira.
O Pipismo é completamente coerente com a Ciência. A Ciência é parte do Pipismo, e não há nada de científico que não esteja integrado no modo de ver o mundo Pipista. Existirão, naturalmente, pontos de desacordo, em que aquilo que a comunidade científica afirma é diferente daquilo que o Pipismo propala, mas essa não é verdadeira Ciência.

*Não existem no sentido em que o Pipismo triunfará. O Triunfo total e completo do Pipismo implica a inexistência de opositores ao Pipismo. Mas se isso ocorrerá no futuro, aquilo que nos separa desse futuro é uma mera "cegueira cronológica", no sentido em que uma perspectiva ampla sabe que esse futuro, decorrendo do presente e do passado, já existe no presente e no passado. O tempo é uma ilusão.
E não é.

-

sábado, outubro 02, 2004

Matemática Pipista

Camaradas: O João Vasco tem razão! A matemática está do lado do Pipismo, e vou demostrar-vos! Atentei, pois, a esta pequena demonstração de como 2 + 2 = 5.

Sejam a, b, c, d reais diferentes de zero tais que:

a + b + c = d

Então:

5a + 5b + 5c = 4a + 4b + 4c + d

<=>

5a + 5b + 5c + 4d = 4a + 4b + 4c + 5d

<=>

5a + 5b + 5c - 5d = 4a + 4b + 4c - 4d

<=>

5(a + b + c - d) = 4(a + b + c - d)

<=>

5 = 4 <=> 4 = 5 <=> 2 + 2 = 5

Q.E.D.

4=5

Todos sabemos que 2+2!=4 (de acordo com a dualidadade != = =)
Sabendo que 2+2=5 (ultrapassando as barreiras da "caixinha de regras" em que muitos nos querem prender, e bem, mas por outro lado, e mal) chegamos a 4=5 a identidade fundamental do Pipismo, tão fundamental como cada elemento do conjunto das restantes que as engloba a todas.

Há quem duvide desta conclusão.
Com razão, claro!
Mas, tendo-a, não a têm, na medida em que existe uma prova desta identidade:

Atentem na seguinte imagem:




Reparem que as Marylin são 4, mas as pessoas(?) são 5.
Além de que são elementos abençoados pelo espírito Pipista.
E a pergunta impõe-se: de quem é aquela mão?
Haverá uma sexta pessoa?
Se 4=6, 4=5 foi ultrpassado, pelo que é passado, pelo que ocorreu, e tendo sido verdade, é-o.
Mas se pensarmos nas caras, 4=5 afirma-se.
E quem tirou a foto, não será uma sétima pessoa?
Mas se nós não o vemos, será que lá está?
Será que existe?



sexta-feira, outubro 01, 2004

Questiúncula

Vou fazer-vos uma pergunta...

Não sabendo a princípio - e isto já vem detrás, por muito que se o negue, surge no seguimento de outros modos de pôr a pergunta em termos de conseguir uma análise mais aprofundada da questão - como resolver um determinado problema, pode-se, com alguma relatividade é certo, tentar (se bem que, noutras ocasiões, tal como se faria a título de curiosidade numa outra categoria, isso não acontece) colocar a questão de forma tal que, e porque não se saberá ao certo como fazê-lo existindo no entanto um modo mais ou menos simples de simplificá-lo, consigamos, agora sim, com mais categoria e facilidade (sabendo no entanto que, certamente, isto não é taxativo: há situações em que não se verifica que, por exemplo, uma nova aproximação seja de facto produtiva, como é o caso de todas as situações menos lineares) estejamos em posição de poder afirmar: a pergunta não se coloca. Pois bem. A questão que eu coloco é simples. Numa posição menos tautológica, seria adequado? Note-se que - e é certo que assim o é - não há como justificá-lo sem (para não ser demasiado abusivo: em tempos todo o problema foi acusado, a meu ver erroneamente, de aborrecido) fornecer qualquer tipo de formas de o fazer sem, no entanto, permitir outras maneiras menos elaboradas de abordagens pouco ortodoxas. Mas aí é que está! Colocando a pergunta de uma outra forma: sim ou não?

Pensem nisso...

Eu não escrevi isto

Eu não escrevi isto.